dawsons_creek_wallpaper_1024x768_1

Dawson`s Creek

Muitas são as séries que passaram durante a nossa juventude, poucas são aquelas que marcaram. Dawson`s Creek (DC), com a sua história recheada de melodrama de adolescente com acne, marcou a juventude de todos aqueles que a viram. Criada por Kevin Williamson (responsável por “Diários do Vampiro”), DC durou 6 temporadas – entre 1998 e 2003 – e chegou à televisão portuguesa pelas portas da TVI, em 2003.

Entretanto, 10 anos passaram e a vida destes actores mudou. Temos ex-cientólogas, que viram a sua placenta ser comida por Tom Cruise, temos actores desempregados, temos Oscares e actores com participações especiais em How I met Your Mother. Mas já lá iremos.

Dawson era o protagonista da série (basta olhar para o título), sendo também a personagem mais melosa. Apaixonado por cinema, vivia na esperança de se tornar realizador, juntando a esse desejo a paixão assolapada por Joey (que era uma mulher). O actor que encarnou este personagem foi James Van Der Beek, um loirinho com ar meio efeminado (na altura), que se mostrou ideal para o papel. Depois de Dawson, James nunca mais atingiu o mesmo nível de estrelato. Todavia, prosseguiu uma carreira em que a maioria dos papéis tem auto-referências a Dawson, dedicando-se a gozar com ele próprio (facilitando a vida do Spoon). Fez de “Dawson” no Scary Movie e ultimamente fez dele próprio (numa versão exagerada) na série “Don`t trust the B* in the appartment 23” – série genial e, por isso, já cancelada. Para além disso, tem uma data de participações em séries como One Tree Hill e em HIMYM (onde fez de um tosco Canadiano, ex-namorado de Robin). Entretanto, casou-se com a actriz Heather McComb e já é pai – O que a avaliar pelas fotos antigas (onde se aparenta com uma lésbica), é um grande feito.

Joey era o amor juvenil e semi-platónico (até Dawson virar homem) do protagonista. Interpretada por Katie Holmes, era a personagem mais dura (tinha o pai na prisão e vivia com a irmã) e mais indecisa (ora gostava do Dawson, mas comia todos os amigos dele, ora não gostava do Dawson e comia toda a gente).

Katie destacou-se como uma das actrizes com mais potencial. Infelizmente usou o seu potencial para se casar com um Homossexual. Atenção, ter interesses em comum numa relação é importante. Porém, quando os interesses partilhados são a orientação sexual, acaba por ser chato. Entretanto já se divorciou, por divergências religiosas – talvez pelo facto de, na cientologia, o pai ter de dar umas dentadas na placenta da mãe, ou de acreditarem que o mundo foi criado por aliens. Talvez por tudo isto, não seja fácil manter um casamento quando apenas um dos cônjuges (o gajo do Top Gun) é maluco.

Artisticamente, após DC, Katie participou em diversos filmes, entre os quais Batman – O ínicio (de Christopher Nolan) e Don`t be afraid of the dark (escrito por Guilhermo del Toro). Assim como o seu colega James, Katie também teve uma participação em HIMYM.

 Desta forma, a carreira da menina Holmes tem prosperado, tendo sempre alguns projectos em carteira. Apesar de tudo, a maioria dos filmes que tem escolhido são de qualidade dúbia. Por exemplo, entrou num dos piores filmes de sempre, Jack and Jill, com o Adam Sandler. Aliás, ganhou uma série de Razzies (prémios que distinguem os piores) pela sua prestação.

Joshua Jackson era outro dos actores da série. Joshua fazia de Pacey, um jovem rebelde, não particularmente dotado de muitos sonhos ou inteligência, mas com o carisma de bad boy. Meteu-se com mulheres mais velhas, mais novas, mas o seu grande amor (para não variar) era Joey. Quanto ao Sr. Jackson, manteve-se em projectos independentes. Não obstante, baixo orçamento não é sinónimo de falta de qualidade. Joshua tem entrado em bons filmes, como a obra indie Aurora Borealis, em conjunto com Donald Sutherland e Juliette Lewis (curiosamente adepta da cientologia). Até ver, o projecto de maior destaque é a (grande) série de ficção científica Fringe, criada por J.J. Abrams (Lost, Star Strek). Na vida pessoal, Joshua sabe escolhê-las. Andou com duas actrizes de DC: a protagonista Katie Holmes e Brittany Daniel (que teve uma participação especial). Depois disso, Joshua continuou a sair com actrizes, entre as quais Diane Kruger (entrou em Inglorious Basterds e actualmente na excelente série The Bridge).

Kerr Smith era a participação especial que virou protagonista. Inicialmente discreto, o seu personagem Jack foi-se tornando relevante na série. Primeiro, começou por ser o namorado de Joey, depois tornou-se gay – ok, agora seria demasiado fácil fazer uma piada que envolvesse Katie Holmes e gays.

Apesar de todo o protagonismo na série, Kerr nunca mais teve grande protagonismo. Durante DC, Kerr protagonizou o primeiro beijo homossexual em horário nobre (na América). Depois, protagonizou uma série de episódios de “Como cair no esquecimento depois de entrar em DC”. O seu modus operandi foi fácil, bastou não arranjar empregos decentes. No entanto, teve umas participações especiais em séries como CSI e protagonizou Life Unexpected, que ainda aguentou duas temporadas sem ser cancelada. Actualmente anda de mota e tem uma empresa de cerveja (Venice Beach).

A última da lista, mas a primeira no sucesso, é Michelle Williams. Michelle – que na série interpretava Jen Lindley, uma rapariga problemática, rebelde e com um passado de badalhoca – tornou-se a actriz com o maior sucesso do grupo. Apostando maioritariamente no cinema, já foi nomeada três vezes para o Oscar de melhor actriz (em Blue Valentine, My Week with Marilyn e Brokeback Mountain). Em Brokeback Mountain conheceu o seu ex-marido Heath “Joker” Ledger (que morreu demasiado cedo) e tem uma filha com ele.

No meio da agitada vida pessoal, Michelle consegue escolher bem os projectos e ser sempre genial nas suas prestações, trabalhando com os melhores realizadores (entre eles Martin Scorsese, em Shutter Island).

No final, todos os actores do elenco têm sido bem-sucedidos – tirando a Katie Holmes que se meteu numa Missão Impossível, ao casar com o Tom Cruise. Já Kerr Smith teve azar, pois nunca se conseguiu casar com uma estrela homossexual dos anos 80/90, talvez assim tivesse atingido novamente o protagonismo. Os outros, ainda que em patamares diferentes, continuam a estar no topo de Hollywood.

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com