733895

Overdrive: Os Profissionais (Overdrive, 2017)

Sabemos que vale a pena imitar o franchise de Velocidade Furiosa quando este já teve, pelo menos, uma dezena de variantes direct-to-video, sendo estes são rotulados como versões baratas mas igualmente entretidas que a sua inspiração original. É aqui que Overdrive: Os Profissionais encaixa.

Quando um grupo de ladrões rouba um clássico ao magnata errado, estes são forçados a redimirem-se do seu erro ao roubarem um Ferrari ao seu rival. Até aqui, tudo bem? Perfeito. Porque é esta a história toda de um filme que visualmente é agradável, pois as ruas de Marselha nunca foram tão bonitas em filme, como também os carros são fabulosos, entre um Ferrari, Corvette, Cobra, Mustang. Podia estar aqui a nomear nomes de marcas o dia todo, mas o mais engraçado é que o filme espera que o espectador saiba o valor monetário e potência real dos bólides para ter noção da dimensão de quanto vale este roubo.

O problema é que a ponto nenhum queremos saber disso para alguma coisa, numa imitação rasca de 60 Segundos na Europa, que podia facilmente ser uma sequela do icónico filme de Domingo à tarde com Nicholas Cage e o igualmente icónico Mustang chamado Eleanor. Quero culpar a falta de orçamento mas mesmo assim, em muitos aspectos, foi melhor que Transformers. Pelo menos aqui os carros fazem aquilo que foram feitos: velocidade (e não teorias filosóficas).

Valendo a pena só para ver e ouvir algumas cenas relativamente divertidas de perseguições automóveis, com uma história fútil e sem grande conteúdo, não existem mais razões para perder tempo com este filme. Nem para ver Ana de Armas, uma actriz espanhola que merecia tão melhor.

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com