brick-mansions

Bairro 13 (Brick Mansions, 2014)

Este filme de Luc Besson…Perdão. Este filme de Camille Delamare, remake de Banlieue 13 – um filme produzido e escrito por Besson – é a tentativa de reunir tudo aquilo que o experiente realizador consegue fazer, mas reproduzido na visão do seu protegido.

Aparentemente esta nova abordagem ao filme original – que era repleto de cenas alucinantes, passadas em paris e com muito parkour à mistura – é tão pouco interessante, que até os próprios tradutores dos títulos originais resolveram chamar a este Brick Mansions, Bairro 13 (que mais parece uma tradução do filme francês de 2004, que em português tinha ficado como Distrito 13). Enfim, pondo estes pormenores de lado, centremo-nos na população alvo deste filme, que desconhece todos estes factos e apenas quer hora e meia de descontração cinematográfica.

A história deste Bairro 13 centra-se numa Detroit distópica em 2018, o que acaba por ser irónico, pois Detroit na realidade assemelha-se perigosamente a esta visão “distópica”. Aqui, o falecido Paul Walker faz, mais uma vez, de polícia infiltrado, enquanto a ameaça de uma bomba de neutrões paira sobre a cidade. Nos entretantos, dedica-se a perseguir um líder de um gang perigoso (interpretado por RZA), e no meio lá aparece um duplo feito ator, David Belle, que também se farta de correr e saltar.

No fundo, a história pouco importa e até se poderia chamar “apanha-me irrealisticamente se puderes”. As cenas, que se queriam cheias de adrenalina, são tão pouco plausíveis ao ponto de, até os mais fervorosos fãs de Paul Walker e da franquia Velocidade Furiosa, duvidarem do seu realismo.

Postiço será a melhor maneira de qualificar este filme que, a única coisa que tem de realidade, serão os bocejos que irá causar. Isto porque, com uma história redundante, vivemos 90 minutos de uma sessão alargada de Parkour.

 E nem vale a pena falar da prestação dos atores, porque qualifica-la de sofrível é o maior dos elogios que se poderá fazer.

Enfim, nada resulta nesta pálida réplica de um estilo em que Luc-Besson é exímio e que o seu aprendiz de feiticeiro, Camille Delamare (que acaba por não ser o principal culpado), não conseguiu reproduzir. Terá de ficar para uma próxima…

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com