emma-thompson-and-pierce-brosnan-the-love-punch-73964

Golpe de Amor (Love Punch, 2013)

O género “comédia romântica” leva sempre muita gente à sala de cinema. Tem uma clientela fidelizada, pouco ambiciosa na procura, que não se importa de observar uma série de lugares comuns, desde que no fim veja também romance e humor. Ora, uma comédia romântica que seja apenas romance, ou apenas comédia, é “coxa”. Pior serão aquelas obras que se autointitulam como comédias românticas, mas cujo filme se resume no trailer, e onde tudo o resto são meros penosos minutos (às vezes horas), em que as repetitivas vezes que olhemos para o relógio serão o presságio do falhanço, que convínhamos, não é completamente inesperado.

Em Golpe de Amor, ficamos a maioria do tempo a pensar onde estará a comédia e o romance, sendo-nos oferecido em troca um cenário tão engraçado, quanto a situação económica do país.

A história centra-se em Richard (Pierce Brosnan) e Kate (Emma Thompson), um casal de divorciados que se vê na penúria, depois de Richard ter vendido a sua empresa. Ora, como qualquer cidadão comum, decidem unir forças para roubar o executivo francês que os deixou na pobreza, tentando-lhe tirar um colar que valerá 10 milhões de dólares – quantia que atendendo à situação dos dois, não chegaria para fazer face às despesas, mas, neste caso, é melhor não entrar no campo da plausibilidade.

Desta forma, Joel Hopkins, que realiza e assina o argumento, está a tentar sedimentar a sua posição no campo das comédias românticas séniores sem piada. Se bem que este consegue ser pior que o seu antecessor, A um Passo do Amor (protagonizado também por Emma Thompson e com Dustin Hoffman). Aqui, as únicas piadas que resultam (e são mesmo muito poucas), têm que ver com referências a outros filmes. Desde já, obviamente, as tiradas referentes a James Bond (personagem que Pierce Brosnan interpretou, já lá vão uns anos) – o que equivale a dizer que o Pierce Brosnan faz caretas à 007.

Todavia, funciona tudo tão pouco nesta obra que, a única coisa que o cidadão comum ganhará em vê-la, é uma grande desilusão. É certo que com a mestria desta dupla de protagonistas (principalmente Emma Thompson), o filme acaba por não ser um perfeito descalabro. Apenas é insípido.

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com